AUGUSTO PESSÔA - CONTADOR DE HISTÓRIAS - (BRASIL)

Minha foto
Ator, Cenógrafo, Figurinista, Arte Educador Dramaturgo e Contador de Histórias. Bacharelado em Artes Cênicas (Habilitação em Interpretação e Habilitação em Cenografia) pela UNI-RIO - Universidade do Rio de Janeiro.

HISTÓRIAS DE NATAL

HISTÓRIAS DE NATAL
livro de contos populares adaptados e ilustrados por Augusto Pessõa - Ed. Escrita Fina (2010)

HISTÓRIAS DE BRUXAS - livro

HISTÓRIAS DE BRUXAS - livro
Clique na imagem para conhecer o livro e a Editora LIVROS ILIMITADOS. Você pode adquir um exemplar do livro de Augusto Pessôa e conhecer outras publicações da editora.

sábado, 5 de fevereiro de 2011

A RAPOSA E O URSO (conto popular)

O grande urso gabava-se de ser muito esperto. Ele convenceu todos os animais da floresta que, só ele e mais ninguém, tinha o direito de ter o título de animal mais esperto do mundo. A raposa, que sempre teve essa fama, quis acabar com essa história do urso. Muita matreira ela convenceu o grandalhão a comprarem juntos um pote de manteiga. De posse da iguaria, resolveram guardá-la no oco de uma grande árvore. E a raposa falou:

- Bom, amigo urso, vamos descansar e depois poderemos saborear essa delícia!

O urso concordou e os dois foram se deitar. Quando o urso já dormia a sono solto, a raposa se levantou, sacudiu-se e correu ao oco da árvore. Comeu toda a sua parte da manteiga e voltou para se deitar. Mas quando ela chegou, o urso abriu os olhos e perguntou:

- Onde você foi?

E a espertalhona respondeu:

- Amigo, você não imagina o sonho que eu tive: sonhei que fui convidada para ir a uma grande festa de batizado! E o sonho era tão real que eu levantei e foi correndo para a festa!
- E você encontrou a festa? - quis saber o urso.
- Que nada! Mas eu sei o nome da criança!
- E qual é?
- O menino chama: “Comi-a-minha-parte”! Não é estranho?
- Muito!
- Mas é coisa de sonho! Vamos dormir que é melhor!

Então eles se deitaram e voltaram a dormir. Em pouco tempo a raposa se levantou, sacudiu-se de novo e correu ao oco da árvore. Comeu um pedaço da parte do dorminhoco e voltou para se deitar. Mas quando ela chegou, o urso abriu os olhos novamente e perguntou:

- Você saiu de novo? Pra onde você foi?

E a matreira respondeu:

- Amigo, tive o sonho de novo! Fui convidada para ir a outra uma festa de batizado! E o sonho, igual ao outro, era tão real que eu levantei e foi correndo para a festa!
- E dessa vez você encontrou a festa? - quis saber o urso.
- Que nada! Mas, como da outra vez, eu também descobri o nome da criança!
- E qual é?
- O menino chama: “Comi-um-pedaço”! Não é estranho?
- Muito!
- Mas é coisa de sonho! Vamos dormir que é melhor!

Então eles se deitaram e voltaram a dormir. O urso demorou para dormir. Pensava nos estranhos nomes das crianças dos sonhos da raposa. Mas, embalado por esses pensamentos, logo caiu num sono profundo. Em pouco tempo a raposa se levantou, sacudiu-se mais uma vez e correu ao oco da árvore. Comeu quase toda a manteiga do pote deixando só um pouquinho. Tirou esse pequeno pedaço, guardou em outro lugar e deixou o pote limpo. A esperta voltou correndo para se deitar. Mas quando ela chegou, o urso abriu mais uma vez os olhos e perguntou:

- Você não tem sossego, amiga? Saiu de novo? Pra onde você foi dessa vez?

E a danada respondeu:

- Amigo, não aguento mais esses sonhos que me atormentam!

E o urso quis saber:

- Você sonhou de novo? Foi com uma festa?

E a esperta raposa respondeu fingindo desespero:

- Sonhei, amigo! Sonhei de novo que fui novamente convidada para ir a uma outra festa de batizado! E o sonho, igual aos outros, era tão real que eu levantei e foi correndo para a festa!
- Mas dessa vez você encontrou a festa, né?
- Que nada! Mas, como das outras vezes, eu também descobri o nome da criança!
- E qual é?
- É o nome mais estranho todos! O menino chama: “Guardei- um-restinho”! Não é esquisito?
- Muito!
- Mas só pode ser coisa de sonho! Vamos dormir que é melhor!

Então eles se deitaram e voltaram a dormir. Dessa vez os dois dormiram a sono solto. Quando acordaram a raposa propôs:

- Amigo urso, vamos comer nossa manteiga?

O urso lambeu os beiços:

- Vamos!

Os dois foram até ao oco da árvore e quando lá chegaram encontraram o pote vazio. Limpo como se tivesse sido lavado. Sem um pedacinho de manteiga. O urso ficou espantado:

- O que aconteceu com a nossa manteiga, amiga?

A raposa, fingindo indignação, começou a acusar o urso:

- Será mesmo que o amigo não sabe? Enquanto eu estava sonhando com as festas de batizado, será que o amigo não veio aqui e comeu toda a manteiga?
- Eu, amiga?
- O senhor, sim!
- Mas eu estava dormindo!
- É! Mas toda às vezes que eu voltei do meu desespero... da minha procura pelas festas que apareciam nos meus sonhos... o amigo estava com os olhos bem abertos! E olho aberto não é olho de quem está dormindo!

O urso tentava se explicar:

- Mas não fui eu, amiga!!

E a raposa foi definitiva:

- Eu quero acreditar no senhor, mas só tem um jeito da gente descobrir a verdade!
- Qual é?
- O senhor vai se deitar no sol quente por duas horas!
- Mas como isso vai provar que eu não comi a manteiga?
- Ah... o sol é um grande juiz! Ele vai esquentar a sua pança e se a manteiga estiver lá dentro vai sair! Se no final dessas duas horas a sua boca e seus bigodes estiverem sujos de manteiga foi o senhor o ladrão! Se estiver tudo limpo não foi o senhor e teremos que procurar o bandido! O amigo aceita?

O urso, que tinha a certeza que não tinha comido a manteiga, aceitou imediatamente. Os dois foram para um descampado. O sol estava a pino, o grandalhão se deitou e a raposa disse:

- Amigo, vamos esperar as duas horas pra gente ter a certeza que não foi você! E pra não termos nenhuma dúvida eu também vou deitar!
- Pra quê, amiga?
- Para o senhor não ter dúvida que não fui eu que roubei!

A raposa deitou. O sol estava muito gostoso. Com aquele calorzinho que dava uma moleza! A raposa sabia que logo o urso iria dormir. E não demorou muito para o grandalhão cair num sono profundo. Com muito cuidado, a danada foi até o lugar onde tinha guardado o restinho de manteiga. Voltou e lambuzou os bigodes e a boca do urso. Depois deitou e ficou esperando.
Passaram as duas horas e quando o urso abriu os olhos viu a raposa com uma cara zangada.

- Então, senhor urso, não foi o senhor que comeu toda a manteiga?

O grandalhão lambeu os beiços e sentiu o gosto da manteiga que lambuzava todo o seu focinho. E a raposa continuou fingindo estar indignada:

- O senhor não tem vergonha? Como pode fazer isso com uma amiga? E agora fiquei sem a minha manteiga! Isso é um absurdo!

O urso, sem entender nada, ficou muito envergonhado. Comprou um novo pote de manteiga e deu para a “amiga”. E a raposa mostrou quem realmente merecia a fama de esperta.

Conto popular recontado por Augusto Pessôa 

3 comentários:

Gabriela de Amorim disse...

Olá!
Estou passando para parabenizar pelo seu trabalho!
Tem presentinho lá no meu Blog: http://encantamentosdaliteratura.blogspot.com/2011/01/selo-de-qualidade.html

Receba com todo carinho!
Gabriela

Gabriela de Amorim disse...

Olá!
Estou passando mais uma vez para parabenizar pelo seu trabalho!
Tem novos selinhos de presentinhos lá no meu Blog: http://encantamentosdaliteratura.blogspot.com/2011/02/selinhos-duplos-de-qualidade.html

Até a próxima!
Gabriela

Jasanf disse...

Emocionante este conto. Há um presentinho para ti no meu blog Lectado-me. Com carinho, ofereço-te.
Jasanf.

http://lectandome.blogspot.com

A RÃ E O BOI - VÍDEO

A RÃ E O BOI - VÍDEO
Apresentação de Augusto Pessôa no Simpósio Internacional de Contadores de Histórias SESC RJ 2010. Clique na imagem e assista a história

A MENINA QUE FAZIA AZEITE DE DENDÊ

A MENINA QUE FAZIA AZEITE DE DENDÊ
Clique na imagem e assista a hitória

UMA APOSTA (VÍDEO)

UMA APOSTA (VÍDEO)
Conto de Artur Azevedo. CLIQUE NA IMAGEM E VEJA O VÍDEO

LIVROS LEGAIS

  • GRAMÁTICA DA FANTASIA de Gianni Rodari - Summus Editorial.
  • GUARDADOS DO CORAÇÃO – Memorial para Contadores de Histórias de Francisco Gregório Filho - Editora Amais.
  • FÁBULAS ITALIANAS de Ítalo Calvino - Editora Companhia das Letras
  • DICIONÁRIO DE FOLCLORE BRASILEIRO de Câmara Cascudo - Editora Itatiaia
  • VASOS SAGRADOS de Maria Inez do Espírito Santo - Ed Rocco
  • MEUS CONTOS AFRICANOS - seleção de Nelson Mandela - Ed Martins
  • LENDAS BRASILEIRAS de Camara Cascudo - Ediouro
  • CONTOS TRADICIONAIS DO BRASIL de Camara Cascudo - Ed Itatiaia
  • CONTOS POPULARES DO BRASIL de Silvio Romero - Ed Itatiaia

A MOURA TORTA

A MOURA TORTA
Clique na imagem e assista a um trecho do espetáculo

MARIA BORRALHEIRA (VÍDEO)

MARIA BORRALHEIRA (VÍDEO)
Peça teatral baseada no conto popular MARIA BORRALHEIRA com Augusto Pessôa e Rodrigo Lima. Direção Rubens Lima Junior. Clique na foto e assista a um trecho da peça.

FELIZES PARA SEMPRE (RESENHA)

FELIZES PARA SEMPRE (RESENHA)
Clique na imagem e veja a resenha do livro FELIZES PARA SEMPRE

QUANDO OS BICHOS AINDA FALAVAM

QUANDO OS BICHOS AINDA FALAVAM
Apresentação no Simpósio Internacional de Contadores de Histórias SESC RJ 2009

A MENINA QUE VIROU CORUJA (VÍDEO)

A MENINA QUE VIROU CORUJA (VÍDEO)
Conto Africano. Clique na imagem e assista ahistória

ERA VIDRO E SE QUEBROU (VÍDEO)

ERA VIDRO E SE QUEBROU (VÍDEO)
Apresentação do Coral da Ciser - Joinville (2009). Cliuqe na imagem e assista a um trecho do espetáculo

ERA VIDRO E SE QUEBROU (VÍDEO)

ERA VIDRO E SE QUEBROU (VÍDEO)
Apresentação do Coral da Ciser - Joinville (2009). Clique na imagem e assista a um trecho do espetáculo.

ERA VIDRO E SE QUEBROU (VÍDEO)

ERA VIDRO E SE QUEBROU (VÍDEO)
Apresentação do Coral da Ciser - Joinville (2009). Clique na imagem e assita a um trecho do espetáculo

O REI DOENTE DO MAL DE AMORES - SONHO DE MENINA

O REI DOENTE DO MAL DE AMORES - SONHO DE MENINA
Apresentação no SESC Niterói - nov 2009 - Clique na imagem e assista a apresentação.

O MARIDO FIEL - VÍDEO

O MARIDO FIEL - VÍDEO
Conto de Nelson Rodrigues - adaptação e narração de Augusto Pessôa. Clique na imagem e assista a história.

O JABUTI E A FRUTA (VÍDEO)

O JABUTI E A FRUTA (VÍDEO)
conto popular adaptado por Augusto Pessôa. CLIQUE NA IMAGEM E ASSISTA AO VÍDEO

VOU BUSCAR O MEU AMOR (VÍDEO)

VOU BUSCAR O MEU AMOR (VÍDEO)
Cena do espetáculo A MOURA TORTA. Clique na foto e veja a cena

A MOURA TORTA

A MOURA TORTA
Clique na imagem e assista a um trecho do espetáculo em cartaz no teatro do Jockey - Gávea

JABUTI

JABUTI
Apresentação no Simpósio Internacional de contadores de Histórias - SESC RJ 2009. Clique na imagem e assista a um trecho da apresentação

O REI DOENTE DO MAL DE AMORES - abertura da peça (VÍDEO)

O REI DOENTE DO MAL DE AMORES - abertura da peça  (VÍDEO)
Apresentação no SESC Niterói - nov 2009 - Clique na imagem e assista a apresentação

A NOITE QUE A LUA SUMIU DO CÉU (VÍDEO)

A NOITE QUE A LUA SUMIU DO CÉU (VÍDEO)
Clique na imagem e veja um clipe do espetáculo

A DAMA DO LOTAÇÃO (VÍDEO)

A DAMA DO LOTAÇÃO (VÍDEO)
conto de Nelson Rodrigues. Adaptação e narração de Augusto Pessôa

O REI DOENTE DO MAL DE AMORES (VÍDEO)

O REI DOENTE DO MAL DE AMORES (VÍDEO)
Peça baseada no conto popular O REI DOENTE DO MAL DE AMORES (2003). Clique na foto e veja um trecho do espetáculo.

TOC, TOC, TOC, TOC (VÍDEO)

TOC, TOC, TOC, TOC (VÍDEO)
Conto de Arur Azevedo. CLIQUE NA IMAGEM E VEJA O VÍDEO

MALASARTES E O HOMEM ENGANADO DUAS VEZES (VÍDEO)

MALASARTES E O HOMEM ENGANADO DUAS VEZES (VÍDEO)
Contação de Histórias. Clique na imagem e assista a contação.

MENINA FACEIRA

MENINA FACEIRA
Apresentação de Augusto Pessôa e Rodrigo Lima no Instituto Moreira Salles - set 2009. Clique na imagem e veja a apresentação.

HISTÓRIA DE ANTANHO (VÍDEO)

HISTÓRIA DE ANTANHO (VÍDEO)
NA CASA DE SEU PEDRÃO. Apresentação de Augusto Pessôa e Rodrigo Lima no SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CONTADORES DE HISTÓRIAS - SESC RJ (2008). Clique na imagem e veja a apresentação

MÚSICA - NA FEIRA DO TEM TEM (VÍDEO)

MÚSICA - NA FEIRA DO TEM TEM (VÍDEO)
O Rei Doente do Mal de Amores - apresentação no SESC Niterói 2009. Clique na imagem e assista a cena.

PARA SEMPRE FIEL (VÍDEO)

PARA SEMPRE FIEL (VÍDEO)
Conto de Nelson Rodrigues - adaptação e narração de Augusto Pessôa

SUSPIROS VÃO E VEM (VÍDEO)

SUSPIROS VÃO E VEM (VÍDEO)
Apresentação do espetáculo O REI DOENTE DO MALDE AMORES no SESC Niterói 2009. Clique na imagem e assista a apresentação

MALASARTES! (VÍDEO)

MALASARTES! (VÍDEO)
Peça baseada nas histórias de Pedro Malasartes. Clique na foto e veja um trecho do espetáculo

O JABUTI E A FRUTA

O JABUTI E A FRUTA
Apresentação no Simpósio Internacional de Contadores de Histórias - SESC RJ 2009. Clique na imagem e assista a história

A MOURA TORTA

A MOURA TORTA
Crítica do espetáculo publicada no JORNAL DO BRASIL

MARIA BORRALHEIRA - CRÍTICA (IMAGEM)

MARIA BORRALHEIRA - CRÍTICA (IMAGEM)
Clique na imagem e leia a crítica sobre o espetáculo

MALASARTES - CRÍTICA (IMAGEM)

MALASARTES - CRÍTICA (IMAGEM)
Clique na imagem e leia a crítica do espetáculo.

CRÍTICA DO ESPETÁCULO O REI DOENTE DO MAL DE AMORES

CRÍTICA DO ESPETÁCULO O REI DOENTE DO MAL DE AMORES

MALASARTES - Histórias de Um Camarada Chamado Pedro

MALASARTES - Histórias de Um Camarada Chamado Pedro
Livro de Augusto Pessôa publicado pela Editora ROCCO (2007)

FELIZES PARA SEMPRE

FELIZES PARA SEMPRE
Livro com adaptações de Augusto Pessôa - Editora ROCCO (2003)

CONTOS DE HUMOR

CONTOS DE HUMOR
Contos de Artur Azevedo - organização Augusto Pessôa - Editora ROCCO (2008)

CONTANDO HISTÓRIAS NA ABL

CONTANDO HISTÓRIAS NA ABL
CONTANDO HISTÓRIAS NA BIBLIOTECA DA ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS