AUGUSTO PESSÔA - CONTADOR DE HISTÓRIAS - (BRASIL)

Minha foto
Ator, Cenógrafo, Figurinista, Arte Educador Dramaturgo e Contador de Histórias. Bacharelado em Artes Cênicas (Habilitação em Interpretação e Habilitação em Cenografia) pela UNI-RIO - Universidade do Rio de Janeiro.

A PANQUECA FUGITIVA, O RESMUNGÃO E OUTROS CONTOS NÓRDICOS

A PANQUECA FUGITIVA, O RESMUNGÃO E OUTROS CONTOS NÓRDICOS

HISTÓRIAS DE NATAL

HISTÓRIAS DE NATAL
livro de contos populares adaptados e ilustrados por Augusto Pessõa - Ed. Escrita Fina (2010)

HISTÓRIAS DE BRUXAS - livro

HISTÓRIAS DE BRUXAS - livro
Clique na imagem para conhecer o livro e a Editora LIVROS ILIMITADOS. Você pode adquir um exemplar do livro de Augusto Pessôa e conhecer outras publicações da editora.

domingo, 1 de maio de 2011

FLORISBELA E BELA FLOR - conto popular

Era uma vez um Rei e uma Rainha que não eram felizes porque não tinham filhos. Todo dia, a Rainha sentava e suspirava, até que o Rei vinha perguntar:
- O que está errado, minha querida?
- Ah, você sabe! - ela respondia e suspirava novamente - Se tivéssemos filhos, eu poderia abraçá-los quando eles fossem bons, e repreendê-los quando eles fossem maus! O que seria muito divertido!
Então o Rei suspirava e concordava com a Rainha.
Um dia, a Soberana estava sentada e suspirando no jardim, quando a mulher do jardineiro veio até ela.
- O que está errado, Majestade?
- Ai, você sabe! - disse a Rainha suspirando novamente.
- Bem – disse a mulher – talvez eu tenha algo que possa ajudar!
Do bolso do avental ela tirou uma bolsinha e de lá a mulher pegou uma semente que tinha a forma de um bebê dormindo enrolado numa manta.
- Plante essa semente hoje quando a lua cheia estiver no seu máximo! Regue com água usando só a mão direita. Não use a mão esquerda ou você vai se arrepender!
Naquela noite, quando a lua cheia estava no seu ponto mais alto, a Rainha foi para o jardim e plantou a semente. Ela pegou um pouco de água com a mão direita e regou o que tinha plantado. Mas ela esqueceu o que a mulher do jardineiro disse e regou também com a mão esquerda.
Na manhã seguinte, a Rainha correu até o jardim para ver o que tinha acontecido. Lá, no lugar das sementes, ela encontrou uma árvore já grande com apenas dois ramos longos. Em cada ramo uma única flor. A flor do lado direito era linda. Amarela com riscos dourados. A flor do lado esquerdo era estranha. Vermelha com riscos negros.
A Rainha cuidou dessa árvore. Ela viu as pétalas caíram das flores e os frutos começaram a crescer. Do fruto da flor amarela cresceu uma garota adorável com um vestido de princesa e brilhantes cabelos dourados. A criança abriu os olhos e disse de forma suave:
- Pode me colher, mamãe! Já estou madura!
A Soberana colheu a filha da árvore.
- Eu sou sua mãe! - disse a Rainha – Que maravilha! Eu vou chamar você de Bela Flor!
Só então, a criança do fruto da flor vermelha abriu os olhos. Mas era muito diferente da outra. Era estranha. Usava uma roupa esquisita. Pareciam trapos. Os cabelos eram ruivos e emaranhados. Ela carregava uma grande colher de madeira e estava montada num bode. A criança gritou alto:
- Pode me colher, mamãe! Já estou madura!
A Soberana colheu da árvore a outra filha.
- Eu sou sua mãe! - disse a Rainha – Que maravilha! Tão estranha! Eu vou chamar você de Florisbela!
- Florisbela! Florisbela! - gritou a criança.
Com a sua colher de madeira ela bateu no bode e começou a galopar em volta da árvore.
A Rainha estava feliz. Tinha agora duas filhas: Bela Flor era boa com um coração de ouro. Assim, a Rainha poderia abraçá-la por todas as bondades que fazia. E Florisbela estava sempre aprontando, por isso a Rainha vivia repreendendo suas atitudes.
As duas irmãs se adoravam e viviam sempre juntas.
Um dia, as meninas foram fazer piquenique em um campo. De repente, de um bosque vizinho veio um barulho terrível.
- O que é isso? - perguntou Bela Flor
- São duendes! Meninas duendes! - respondeu Florisbela.
Então, do nada, dezenas de meninas duendes saíram do bosque. Elas gritavam e corriam como loucas. Eram monstros horríveis com rabos compridos e narizes pontudos. Foram pra cima das irmãs de uma forma ameaçadora.
- Bela Flor, proteja-se! - gritou Florisbela – Vou cuidar disso!
A menina de cabelos ruivos montou no seu bode e foi direto para cima das duendes. Ela foi batendo nas meninas com sua colher e as pestinhas fugiam gritando de volta para o bosque.
Enquanto isso, Bela Flor ficou encolhida e assustada. Até que ela levantou um pouquinho a cabeça para ver o que estava acontecendo. Do nada, surgiu uma duende que arrancou a cabeça de Bela Flor. Depois a pestinha arrancou a cabeça de um carneiro. Colocou a cabeça de carneiro na menina de cabelos dourados e fugiu com a sua cabeça.
Quando Florisbela expulsou todas as duendes, voltou e viu sua irmã.
- Oh, não! O que fizeram com você? Isso não vai ficar assim! Vamos buscar a sua cabeça!
Assim, Florisbela e a irmã voltaram para o palácio. A menina ruiva pediu ao Rei para preparar um navio. Quando ficou pronto, ela levou a irmã a bordo e o Monarca perguntou:
- Você não quer uma tripulação? Não quer marinheiros?
- Nós não precisamos deles! - gritou Florisbela.
Sem ajuda de ninguém, a menina puxou a âncora e zarpou.
As irmãs navegaram por um longo tempo, até que chegaram a terra dos duendes.
- Fique aqui! - disse Florisbela para Bela Flor.
Então ela foi para a terra com seu bode e galopou até o castelo dos duendes. Chegando lá, a menina viu a cabeça de Bela Flor pendurada numa janela. Florisbela bateu com força no bode e o bicho foi disparado em direção a janela. Os dois passaram como um raio e a menina arrancou da janela a cabeça da irmã. Então ela voltou numa disparada maior ainda para o navio. Mas os duendes viram o que ela fez e saíram numa perseguição terrível atrás de Florisbela. Eles alcançaram a menina e aí se deu uma batalha incrível: sozinha, a menina ruiva enfrentou os duendes. Com sua colher de madeira e pancadas fortes ela foi arrancando as cabeças de todos os duendes. Foi derrotando os pestinhas até não sobrar mais nenhum. Florisbela voltou para o navio. Tirou a cabeça de carneiro da irmã e guardou. Depois colocou a cabeça verdadeira em Bela Flor que suspirou aliviada e disse:
- Você é maravilhosa!
As irmãs voltaram para casa. O Rei e a Rainha ficaram muito felizes. A mãe deu um grande abraço em Florisbela. A menina colocou no carneiro a sua cabeça.
No dia seguinte, Florisbela disse para Bela Flor:
- Irmã, está na hora de irmos embora!
Então elas subiram a bordo e partiram. Foram para um país distante. As pessoas do lugar estavam procurando um novo Rei ou Rainha, porque o velho Monarca tinha acabado de morrer.
Assim que o navio das irmãs atracou, o próprio Primeiro-Ministro veio a bordo. Quando o homem viu Bela Flor arregalou os olhos e declarou:
- Achamos a nossa Rainha!
Mas a menina de cabelos dourados respondeu:
- Oh, não! Minha irmã é corajosa e nobre! Ela que deve ser a Rainha!
O Primeiro-Ministro olhou para a desgrenhada Florisbela que estava montada em seu bode e disse:
- Ela não pode ser a Rainha!
- Por que não? - gritou Florisbela.
- Bem... - respondeu o Primeiro-Ministro – uma Rainha não pode montar num bode velho e sujo!
- Você olhou direito? - perguntou a menina ruiva. - Olhe de novo!
O primeiro-ministro olhou novamente e viu que Florisbela montava um lindo cavalo branco. Mas o homem continuou:
- Bem... mas uma Rainha não pode estar vestida em trapos e carregar uma colher de madeira!
E a ruiva perguntou:
- Você tem certeza do quê está dizendo? Olhe de novo!
O primeiro-ministro olhou novamente e viu que Florisbela vestia um terno elegante, ricamente decorado. Nas mãos um cetro de prata com um diamante brilhante na ponta. Mas o homem ainda insistiu:
- Bem... mas uma Rainha não pode ter o cabelo desgrenhado e sujo!
A ruiva perguntou:
- Você tem certeza que meu cabelo é assim? Olhe de novo!
O primeiro-ministro olhou novamente e viu que Florisbela estava perfeitamente arrumada, com suaves e brilhantes cabelos vermelhos. Completamente encantado por tanta beleza o Primeiro-ministro declarou:
- Então você pode ser a Rainha!
Foi feita uma grande festa. Florisbela se tornou Rainha e governou com sabedoria o país com a ajuda de sua irmã. Mas sempre que alguém fazia um besteira, o rico cedro se transformava novamente em colher de madeira e Florisbela batia com força.
Conto popular adaptado por Augusto Pessôa

Nenhum comentário:

A RÃ E O BOI - VÍDEO

A RÃ E O BOI - VÍDEO
Apresentação de Augusto Pessôa no Simpósio Internacional de Contadores de Histórias SESC RJ 2010. Clique na imagem e assista a história

A MENINA QUE FAZIA AZEITE DE DENDÊ

A MENINA QUE FAZIA AZEITE DE DENDÊ
Clique na imagem e assista a hitória

UMA APOSTA (VÍDEO)

UMA APOSTA (VÍDEO)
Conto de Artur Azevedo. CLIQUE NA IMAGEM E VEJA O VÍDEO

LIVROS LEGAIS

  • GRAMÁTICA DA FANTASIA de Gianni Rodari - Summus Editorial.
  • GUARDADOS DO CORAÇÃO – Memorial para Contadores de Histórias de Francisco Gregório Filho - Editora Amais.
  • FÁBULAS ITALIANAS de Ítalo Calvino - Editora Companhia das Letras
  • DICIONÁRIO DE FOLCLORE BRASILEIRO de Câmara Cascudo - Editora Itatiaia
  • VASOS SAGRADOS de Maria Inez do Espírito Santo - Ed Rocco
  • MEUS CONTOS AFRICANOS - seleção de Nelson Mandela - Ed Martins
  • LENDAS BRASILEIRAS de Camara Cascudo - Ediouro
  • CONTOS TRADICIONAIS DO BRASIL de Camara Cascudo - Ed Itatiaia
  • CONTOS POPULARES DO BRASIL de Silvio Romero - Ed Itatiaia

A MOURA TORTA

A MOURA TORTA
Clique na imagem e assista a um trecho do espetáculo

MARIA BORRALHEIRA (VÍDEO)

MARIA BORRALHEIRA (VÍDEO)
Peça teatral baseada no conto popular MARIA BORRALHEIRA com Augusto Pessôa e Rodrigo Lima. Direção Rubens Lima Junior. Clique na foto e assista a um trecho da peça.

FELIZES PARA SEMPRE (RESENHA)

FELIZES PARA SEMPRE (RESENHA)
Clique na imagem e veja a resenha do livro FELIZES PARA SEMPRE

QUANDO OS BICHOS AINDA FALAVAM

QUANDO OS BICHOS AINDA FALAVAM
Apresentação no Simpósio Internacional de Contadores de Histórias SESC RJ 2009

A MENINA QUE VIROU CORUJA (VÍDEO)

A MENINA QUE VIROU CORUJA (VÍDEO)
Conto Africano. Clique na imagem e assista ahistória

ERA VIDRO E SE QUEBROU (VÍDEO)

ERA VIDRO E SE QUEBROU (VÍDEO)
Apresentação do Coral da Ciser - Joinville (2009). Cliuqe na imagem e assista a um trecho do espetáculo

ERA VIDRO E SE QUEBROU (VÍDEO)

ERA VIDRO E SE QUEBROU (VÍDEO)
Apresentação do Coral da Ciser - Joinville (2009). Clique na imagem e assista a um trecho do espetáculo.

ERA VIDRO E SE QUEBROU (VÍDEO)

ERA VIDRO E SE QUEBROU (VÍDEO)
Apresentação do Coral da Ciser - Joinville (2009). Clique na imagem e assita a um trecho do espetáculo

O REI DOENTE DO MAL DE AMORES - SONHO DE MENINA

O REI DOENTE DO MAL DE AMORES - SONHO DE MENINA
Apresentação no SESC Niterói - nov 2009 - Clique na imagem e assista a apresentação.

O MARIDO FIEL - VÍDEO

O MARIDO FIEL - VÍDEO
Conto de Nelson Rodrigues - adaptação e narração de Augusto Pessôa. Clique na imagem e assista a história.

O JABUTI E A FRUTA (VÍDEO)

O JABUTI E A FRUTA (VÍDEO)
conto popular adaptado por Augusto Pessôa. CLIQUE NA IMAGEM E ASSISTA AO VÍDEO

VOU BUSCAR O MEU AMOR (VÍDEO)

VOU BUSCAR O MEU AMOR (VÍDEO)
Cena do espetáculo A MOURA TORTA. Clique na foto e veja a cena

A MOURA TORTA

A MOURA TORTA
Clique na imagem e assista a um trecho do espetáculo em cartaz no teatro do Jockey - Gávea

JABUTI

JABUTI
Apresentação no Simpósio Internacional de contadores de Histórias - SESC RJ 2009. Clique na imagem e assista a um trecho da apresentação

O REI DOENTE DO MAL DE AMORES - abertura da peça (VÍDEO)

O REI DOENTE DO MAL DE AMORES - abertura da peça  (VÍDEO)
Apresentação no SESC Niterói - nov 2009 - Clique na imagem e assista a apresentação

A NOITE QUE A LUA SUMIU DO CÉU (VÍDEO)

A NOITE QUE A LUA SUMIU DO CÉU (VÍDEO)
Clique na imagem e veja um clipe do espetáculo

A DAMA DO LOTAÇÃO (VÍDEO)

A DAMA DO LOTAÇÃO (VÍDEO)
conto de Nelson Rodrigues. Adaptação e narração de Augusto Pessôa

O REI DOENTE DO MAL DE AMORES (VÍDEO)

O REI DOENTE DO MAL DE AMORES (VÍDEO)
Peça baseada no conto popular O REI DOENTE DO MAL DE AMORES (2003). Clique na foto e veja um trecho do espetáculo.

TOC, TOC, TOC, TOC (VÍDEO)

TOC, TOC, TOC, TOC (VÍDEO)
Conto de Arur Azevedo. CLIQUE NA IMAGEM E VEJA O VÍDEO

MALASARTES E O HOMEM ENGANADO DUAS VEZES (VÍDEO)

MALASARTES E O HOMEM ENGANADO DUAS VEZES (VÍDEO)
Contação de Histórias. Clique na imagem e assista a contação.

MENINA FACEIRA

MENINA FACEIRA
Apresentação de Augusto Pessôa e Rodrigo Lima no Instituto Moreira Salles - set 2009. Clique na imagem e veja a apresentação.

HISTÓRIA DE ANTANHO (VÍDEO)

HISTÓRIA DE ANTANHO (VÍDEO)
NA CASA DE SEU PEDRÃO. Apresentação de Augusto Pessôa e Rodrigo Lima no SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CONTADORES DE HISTÓRIAS - SESC RJ (2008). Clique na imagem e veja a apresentação

MÚSICA - NA FEIRA DO TEM TEM (VÍDEO)

MÚSICA - NA FEIRA DO TEM TEM (VÍDEO)
O Rei Doente do Mal de Amores - apresentação no SESC Niterói 2009. Clique na imagem e assista a cena.

PARA SEMPRE FIEL (VÍDEO)

PARA SEMPRE FIEL (VÍDEO)
Conto de Nelson Rodrigues - adaptação e narração de Augusto Pessôa

SUSPIROS VÃO E VEM (VÍDEO)

SUSPIROS VÃO E VEM (VÍDEO)
Apresentação do espetáculo O REI DOENTE DO MALDE AMORES no SESC Niterói 2009. Clique na imagem e assista a apresentação

MALASARTES! (VÍDEO)

MALASARTES! (VÍDEO)
Peça baseada nas histórias de Pedro Malasartes. Clique na foto e veja um trecho do espetáculo

O JABUTI E A FRUTA

O JABUTI E A FRUTA
Apresentação no Simpósio Internacional de Contadores de Histórias - SESC RJ 2009. Clique na imagem e assista a história

A MOURA TORTA

A MOURA TORTA
Crítica do espetáculo publicada no JORNAL DO BRASIL

MARIA BORRALHEIRA - CRÍTICA (IMAGEM)

MARIA BORRALHEIRA - CRÍTICA (IMAGEM)
Clique na imagem e leia a crítica sobre o espetáculo

MALASARTES - CRÍTICA (IMAGEM)

MALASARTES - CRÍTICA (IMAGEM)
Clique na imagem e leia a crítica do espetáculo.

CRÍTICA DO ESPETÁCULO O REI DOENTE DO MAL DE AMORES

CRÍTICA DO ESPETÁCULO O REI DOENTE DO MAL DE AMORES

MALASARTES - Histórias de Um Camarada Chamado Pedro

MALASARTES - Histórias de Um Camarada Chamado Pedro
Livro de Augusto Pessôa publicado pela Editora ROCCO (2007)

FELIZES PARA SEMPRE

FELIZES PARA SEMPRE
Livro com adaptações de Augusto Pessôa - Editora ROCCO (2003)

CONTOS DE HUMOR

CONTOS DE HUMOR
Contos de Artur Azevedo - organização Augusto Pessôa - Editora ROCCO (2008)

CONTANDO HISTÓRIAS NA ABL

CONTANDO HISTÓRIAS NA ABL
CONTANDO HISTÓRIAS NA BIBLIOTECA DA ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS